Mais visitados

8.5.14





Limpando as folhas que o Outono deixou.

Tô limpando minhas folhas secas,

minhas folhas outonais ...

Chega um momento em que você quer mudar,

com as folhas mudam.

Mas eu quero ensacolar esses anos de folhas jogadas pelo chão.

Aqui onde eu vivo, dizem que as folhas secas viram adubo para o solo.

E na vida também. Nossas folhas secas, viram alimento para a nossa vivência.

E as minhas folhas cumpriram a sua missão.

Esse é meu último post.

Estou varrendo as folhas do passado até chegar no presente.

Assim o chão fica limpo.

Para a vida passar com mais facilidade.

Crescer flores. Novas flores.

Quem sabe do Outono,

não dou um pulo para a

Primavera.



Obrigada !




1.5.14

Andava tão presa às circunstâncias
que qualquer fio de liberdade alheia
lhe fazia entristecer.

Era tanto,
que se pegava praguejando
o passarinho que canta ao entardecer.

Ele era livre !
Assim como eu queria ser.



17.4.14

Adiós, Gabo !

* 1927      -   †  2014  






"Uns vão para Pasárgada,

Eu vou para Macondo.
Lá o povo enlutado vela por 
seu cidadão honorário."


Algumas descobertas da minha vida eu dedico a outras pessoas, 
tais como músicas, poesias, filmes ...
mas o Gabo eu tenho orgulho de ter descoberto sozinha.
Peguei um livro dele na biblioteca da faculdade, 
era um autor totalmente desconhecido para mim.

(O primeiro livro que escolhi ler foi - sem saber por mim -
o primeiro livro escrito por ele: 
"A Revoada: O enterro do Diabo")

Estava cansada de ler os livros técnicos do
curso de informática. 
Foi amor à primeira leitura.
A partir de então ele se tornou meu autor preferido,
e suas obras não me decepcionaram.
Posso parecer pretensiosa,
mas vivi uma fase da minha vida
onde eu pensei que ela poderia
ter sido um conto escrito por Gabo.

Perfil do blogger:


4.4.14

Aura bélica.





Estou com a aura tão bélica ultimamente.



Emanando luta. 



Cansei de ficar no meu canto esperando.



Enquanto o mundo ganha tudo, enganando.



Briguenta. 

Não sou, mas estou. 



Uma hora cansa. 
Tudo cansa.



Até a paciência cansa.



A zona de conforto nem sempre é uma zona de paz.